PSD2: como o Open Banking foi regulamentado na Europa

Entenda os detalhes da regulamentação que aumentou a competitividade na Europa e está na mira do Banco Central no Brasil.

O Open Banking no cenário internacional já é tratado há algum tempo e na Europa o assunto já está amadurecido. Chamada de PSD2 (Payment Services Revised Directive, na tradução Diretiva Europeia de Serviços de Pagamento), a regulamentação criada pela União Europeia define que os bancos europeus deverão abrir suas plataformas, permitindo o acesso a informações por terceiros autorizados pelos próprios clientes, por intermédio de APIs. A regulamentação estabelece dois novos tipos de prestadores de serviços financeiros:

 

  • AISP:  na tradução “Provedores de Serviços de Informação de Conta”, são serviços que são oferecidos por empresas que têm contato com as informações financeiras do usuário para análise e controle de gastos, análise de crédito e gestão consolidada de contas bancárias.

 

  • PISP: na tradução “Prestadores de Serviços de Iniciação de Pagamento”, são serviços que iniciam o pagamento em nome do usuário como transferências peer-to-peer ou pagamento de contas.

 

PSD2: como o Open Banking foi regulamentado na Europa

 

Para que o PSD2 promovesse a competitividade do mercado, algo muito importante foi criado: a definição de um padrão para as APIs.  Por exemplo, o soquete de uma lâmpada possui um padrão e este permite que todos possam criar as mais inovadoras lâmpadas, desde que respeitem o padrão de conexão estabelecido. Imaginem se houvesse vários tipos de soquetes: uma empresa teria que pensar muitas vezes antes de entrar nesse mercado, pois deveria criar, para cada lâmpada, uma nova adaptação ao soquete. Trazendo para o contexto do mercado financeiro nacional, imagine o Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Caixa e Santander, cada qual com o seu “padrão” de API.

 

Uma fintech teria que criar uma chamada para o “padrão” estabelecido por cada banco. No caso do PSD2, há um único padrão ao qual todas as instituições devem seguir. Muito mais que open banking, isso é “open field”, um mundo de oportunidades em um mercado aberto e regulamentado. Esse movimento promove a competição no mercado financeiro e coloca o poder nas mãos dos consumidores que, por sua vez, poderão escolher de quem irão consumir cada tipo de serviço financeiro.

 

E-Book - Tudo sobre Open Banking

Por CAUE DOS SANTOS PEREIRA

Bacharel em Publicidade e Propaganda com ênfase em Marketing pela PUC Campinas, com especialização em Gestão Estratégica da Inovação pela Unicamp. É especialista em gestão de marcas, inovação aberta, posicionamento produtos e empresas, estratégias de marketing e inovações no mercado financeiro.

Postado em: 20 de junho de 2018

Confira outros artigos do nosso blog

Highlights CIAB 2019: Bate-Papos Matera dia 11/06

02 de julho de 2019

Marcela Ferreira

Transformação Digital: novos atores para um novo momento

23 de maio de 2019

Guilherme Fuzatto

Por que todos falam em transformação digital?

22 de maio de 2019

Guilherme Fuzatto

Novas diretrizes do Banco Central para Open Banking

30 de abril de 2019

Guilherme Fuzatto

Deixe seu comentário