Inteligência Artificial – Entendendo RNA – Parte 1

 Na maioria das pessoas o interesse por Inteligência Artificial talvez esteja diretamente ligado a medo, curiosidade ou paixão, talvez pela abordagem de Hollywood, quem não tem medo que uma skynet surja?

 Hollywood a parte, inteligência artificial realmente é um assunto fascinante e complexo que abrange além de uma discussão matemática também um ponto de vista filosófico, nos posts sobre o assunto quero abordar um pouco sobre inteligência artificial e especialmente sobre Redes Neurais Artificiais (RNA), uma forma de inteligência artificial que teve grandes avanços e pesquisas e já está integrada em produtos do mercado fazendo parte do dia-a-dia de muitas pessoas.

A máquina pode pensar ?

Uma das grandes perguntas quando se debate sobre o assunto inteligência artificial (IA) é : Uma máquina é capaz de pensar ?

Allan Turing foi um dos primeiros a levantar esse questionamento em seu artigo COMPUTING MACHINERY AND INTELLIGENCE datado de 1950. E essa pergunta envolve principalmente algumas definições como por exemplo: O que é uma máquina ? O que é pensar ?

 Vários filósofos e pesquisadores estão envolvidos em responder essas perguntas para chegar em um consenso sobre o que é pensar e como uma máquina pode chegar a esse patamar, conceitos como IA fraca e IA forte serão encontrados ao ler sobre essa abordagem, eles tem como objetivo nivelar o grau de interação, onde IA forte refere se a possibilidade de criar uma inteligência artificial que pode ser consciente e ter as mesmas características do cérebro humano dependendo somente da complexidade do algoritmo que a rege. A IA fraca defende que um computador somente processa dados, não tendo a capacidade de expressar nenhum tipo de ação emocional, sentimental ou qualquer outra característica do tipo que pode ser encontrada no ser humano . Pensando nesses paradigmas, Allan Turing propôs em seu artigo o teste de Turing que teoricamente testa a capacidade de uma máquina se comportar como o ser humano podendo até mesmo enganar outros seres humanos durante uma conversa textual, este por muito tempo foi um patamar a ser alcançado, porém muitos não consideram suficiente para dizer que o computador é capaz de pensar. Uma leitura legal é o paradigma do quarto chinês um ponto de vista contra a IA forte.

Debates sobre Inteligência Artificial

 O que a IA tem de fascinante também tem de polêmica, vários cientistas, filósofos e especialistas da área alertam constantemente para os riscos de se utilizar de inteligência computacional além claro,  de riscos políticos e de responsabilidade. Quem levará a culpa se um carro autônomo acidentalmente atropelar um pedestre? Ou uma inteligência que possa ser usada para algum tipo de trapaça financeira ?

Pensando nesses pontos, várias iniciativas de debate são iniciadas, uma delas é encabeçada pela universidade de Stanford, chamada de One hundred Year Study on Artificial Intelligence (AI100) que tem como objetivo criar um documento base para esse tipo de discussão, possibilitando um uso controlado e investimentos seguros nessa nova forma de tecnologia.

Conclusão

 O objetivo dessa primeira etapa é despertar a curiosidade referente a inteligência artificial e o mundo em torno dela, cada vez mais assuntos como carros que andam sozinhos, algoritmos que ajudam a diagnosticar doenças e reconhecer padrões de mercado ou de usabilidade são destaques em revistas e sites do mundo digital e mais instituições veem como é importante olhar para essa nova era computacional onde máquinas podem ser capazes de auxiliar tomadas de decisões através de dados analisados exaustivamente, aumentando assim a qualidade e agilidade de tomada de decisões. No próximo post iremos abordar as redes neurais artificiais, explicando seus conceitos.

Links Externos

http://www.loebner.net/Prizef/TuringArticle.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Intelig%C3%AAncia_artificial

http://www.psych.utoronto.ca/users/reingold/courses/ai/turing.html

https://ai100.stanford.edu/

Por RODRIGO SENE

"Eu Acredito, que ás vezes são as pessoas que ninguém espera nada que fazem as coisas que ninguém consegue imaginar." Alan Turing

Postado em: 28 de setembro de 2016

Confira outros artigos do nosso blog

Machine Learning – Dividir amostra em treino e teste

05 de dezembro de 2017

Ronaldo Chicareli

Machine Learning – Naive Bayes

17 de novembro de 2017

Ronaldo Chicareli

Machine Learning – O que é?

06 de novembro de 2017

Ronaldo Chicareli

MATERA Systems disponibiliza suas API’s para parceiros desenvolverem soluções de pagamentos com uso de IoT e Inteligência Artificial

07 de junho de 2017

Pedro Farci

Deixe seu comentário